Font Size    Smaller FontLarger Font Contrast    Use original LayoutUse blue font, white backgroundUse blue background, white textUse black background, yellow textUse yellow background, black text

25.10.2010

CNJ lança cartilha sobre Bullying

Imagem: Cartilha_bullying

O Conselho Nacional de Justiça – CNJ lançou, no último dia 20, no seminário do Projeto Justiça na Escola, na Escola de Magistratura Federal (Esmaf), em Brasília, uma cartilha sobre bullying

A cartilha contém dicas para o combate ao bullying nas escolas e esclarece que muitas vezes o fenômeno começa em casa. A escola é apontada como corresponsável nos casos de violência.

Segundo o texto, de autoria da psiquiatra, Ana Beatriz Barbosa Silva, o exemplo dos pais é fundamental para a atitude que os filhos terão em relação aos colegas. “Os pais, muitas vezes, não questionam suas próprias condutas e valores, eximindo-se da responsabilidade de educadores”, diz o texto.

A cartilha traz, em forma de perguntas e respostas, várias orientações sobre como identificar o fenômeno, quais são suas consequências e como evitar. De acordo com o texto, o bullying é cometido pelos meninos com a utilização da força física e pelas meninas com intrigas, fofocas e isolamento das colegas.

A finalidade da cartilha é ajudar na identificação dos casos de bullying, explicando os vários tipos de violência que se encaixam nesse padrão. Podem ser verbais (com insultos, ofensas e apelidos pejorativos), físicos (tapas, empurrões, roubos ou destruição de pertences da vítima), psicológicas e morais (com humilhações e chantagens), sexual (assédios, insinuações) e até virtual (mais conhecido como o cyberbullying, que consiste na postagem de mensagens ridicularizando a vítima em sites de relacionamento).

Além disso, a publicação apresenta comportamentos típicos de quem está sofrendo o bullying. A observação dessas características pode resgatar uma criança ou adolescente que se encontre na posição de vítima. Na escola, eles sempre ficam isolados dos grupos, próximos a adultos que possam protegê-los. Quase nunca são convidados a participar das brincadeiras e, quando isso acontece, são sempre colocados em último plano.

Em casa, os pais podem prestar atenção aos sinais físicos. Geralmente, as crianças queixam-se de dores de cabeça, enjoos, dor de estômago, tonturas, vômitos, perda de apetite e insônia, de acordo com a cartilha. Também podem ocorrer mudanças repentinas de humor, além de aumento dos gastos na cantina da escola. O mais comum de todos, no entanto, são as manobras para faltar às aulas.

Segundo o texto, a escola é corresponsável nos casos de bullying. A cartilha orienta a direção das escolas a acionar os pais, conselhos tutelares, órgãos de proteção à criança e ao adolescente. “Caso não o faça poderá ser responsabilizada por omissão”, diz a cartilha.

O texto afirma ainda que, em casos de atos infracionais, a escola tem o dever de fazer uma ocorrência policial. “Tais procedimentos evitam a impunidade e inibem o crescimento da violência e da criminalidade infanto-juvenil”, diz o texto.

No Brasil, de acordo com a cartilha, predomina o uso de violência com armas brancas. Em escolas particulares, vítimas são segregadas, principalmente, devido a hábitos ou sotaques.

A cartilha orienta os pais a observar o comportamento dos filhos e a manter diálogo franco com eles. “Os pais não devem hesitar em buscar ajuda de profissionais da área de saúde mental, para que seus filhos possam superar traumas e transtornos psíquicos”, diz o texto.

Além disso, os pais devem estimular os filhos a desenvolver talentos e habilidades inatos, para resgatar a autoestima e construir sua identidade social.

Acesse aqui a Cartilha sobre bullying, em PDF.

Para saber mais sobre o tema, acesse a página do Observatório da Infância aqui

Fonte: Portal G1 / Observatório da Infância / JC Online


 

2 Responses to “CNJ lança cartilha sobre Bullying”

  1. Janete de Azevedo disse:

    A violencia nasce nos lares porque os pais nao atuam realmente como educadores. Colocam a violência gerada pelos canais de tv como babás eletrônicas e contratam psicólogos para fazer o que lhes correspondem. Realmente, neste contexto, para encontrar familias, tem de se usar lupa.

  2. Fábio Rodrigo de Oliveira Sales disse:

    A violência contra a criança e o adolescente é um assunto muito debatido e explorado pela mídia. Cartilhas como esta que o CNJ brilhantemente lançou ajudam aos operadores do direito a entender o tema (Bulling) e a pensar soluções para tal problema enfrentado nacionalmente e internacionalmente. Sugiro ao CNJ pensar, também, a situação da vítima no âmbito judiciário e quem sabe lançar uma cartilha de Boas Práticas na atenção a vítima na justiça. Atenção esta que deve se dar em toda a instituição desde o porteiro, auxiliar de limpeza ao Juiz ou Desembargador.

Deixe uma resposta